Usuarios On-line







terça-feira, 20 de dezembro de 2022

Governo do Ceará realiza diplomação dos novos Tesouros Vivos da Cultura do Ceará



O Governo do Ceará realizou, na tarde dessa segunda-feira (19), a cerimônia de diplomação dos novos Tesouros Vivos da Cultura, sendo 25 pessoas, dois grupos e uma coletividade. O evento ocorreu no Centro Cultural do Cariri Sérvilo Esmeraldo, equipamento da Rede Pública de Equipamentos Culturais do Ceará, na cidade do Crato, e contou com a presença do Secretário da Cultura (Secult), Fabiano Piúba, representando a governadora Izolda Cela. A diplomação consolidou a ampliação de 80 para 100 do número de Mestres e Mestras da Cultura.

A titulação tem o objetivo de preservar a memória cultural e garantir a transmissão de seus saberes e fazeres artísticos e culturais. A ação realizada hoje consolida a ampliação do número de Mestres e Mestras da Cultura. “Um vez eu perguntei para o Mestre Aldemir o que é ser mestre da cultura. E ele me respondeu que primeiro vem o respeito, tem que ser respeitado pela comunidade. Em seguida, tem que ser verdadeiro com o que faz e, em terceiro, tem que te amor”, contou o Fabiano Piúba.

Difusor da Cultura


De acordo com a Secult, os Mestres e Mestras da Cultura são reconhecidos como difusores de tradições, da história e da identidade, atuando no repasse de seus saberes e experiências às novas gerações. Foi exatamente por viver essa definição que o Pajé Barbosa, Mestre da Cultura Indígena, foi um dos agraciados com o título de Mestre da Cultura. Falecido, o pajé foi representado por seus filhos Pajé Alex e Pajé Fran, que recordaram as ações do pai.

“Pajé era um mestre completo. Não era só da cultura indígena, ele era mestre do Brasil. Ele trazia diversos dons, de várias e várias funções que ele tinha dentro da aldeia”, pontuou o Pajé Alex, filho do homenageado. “Nós vamos seguir o legado dele, todos que conviveram com ele vamos seguir, porque aprendemos muito com ele. Vamos continuar levando nossa cultura, nossa animação, nosso teatro e alegria. Porque onde ele estava, era só alegria”, completou.

Mestres da Cultura


Os selecionados pela Coordenadoria de Patrimônio Cultural e Memória da Secult Ceará para serem diplomados mestres da cultura passam a contar com reconhecimento institucional e recebem um subsídio no valor de um salário mínimo mensal, como auxílio para a manutenção de suas atividades e para a transmissão de seus saberes e fazeres.

Para Jessica Ohara, coordenadora do Patrimônio Cultural e Memória da Secult, a cerimônia é um marco importante na cultura do Ceará. “Esse é um momento bem especial para a nossa coordenadoria. Porque os Mestres e Mestras da Cultura são o que chegamos mais perto da população na preservação do patrimônio imaterial. Porque a gente protege os saberes, os fazeres, e a gente ajuda a difundir o que esses mestres fazem há muito tempo”, explicou a coordenadora. “Isso aqui, o reconhecimento do Estado, é so algo oficial. Porque mestres vocês já são há muito tempo”, ressaltou.