Usuarios On-line







domingo, 3 de dezembro de 2023

Mayra Aguiar brilha, e é 1ª brasileira campeã em Tóquio


Mayra Aguiar conquistou, neste domingo (3), um dos maiores feitos de sua vitoriosa carreira, ao vencer o Grand Slam de Tóquio. É a primeira vez que um brasileiro é ouro no torneio, tido como o mais difícil do mundo.

Como todo Grand Slam, cada país pode inscrever dois atletas, mas o dono da casa tem direito a quatro. E isso faz toda diferença em uma competição no Japão, berço do judô e que domina a modalidade. Este ano foram quatro ouros, três pratas e quatro bronzes para os japoneses.

Por causa dos custos e da dificuldade de conquistar um bom resultado, o Brasil nem sempre envia força máxima a Tóquio.


Mayra, por exemplo, não competia no país asiático desde 2015. Desta vez, a CBJ apostou e foi recompensada.

Mayra teve uma competição impecável. Estreou vencendo Antonina Shmeleva (russa que compete como neutra), passou depois pelas japonesas Mizuki Sugimura e Mami Umeki, e chegou à final contra a israelense Inbar Lanir, atual campeã mundial.

A brasileira, porém, não deu a mínima chance de Lanir. Encaixou três golpes para pontuar, um deles com um wazari, e amassou a israelense no solo quando o tempo de luta se esgotou.

Depois de tirar o ano para treinar e se recuperar fisicamente, Mayra fez três torneios e só perdeu uma luta este ano, para a italiana Alice Bellandi, líder do ranking mundial. De forma mais ampla, nos últimos 27 confrontos que fez, a brasileira foi derrotada somente quatro vezes. Em três, para Bellandi, que não foi a Tóquio.

A medalha de Mayra no Grand Slam japonês é a segunda do Brasil no evento. Ontem, Jéssica Lima, da categoria até 57kg, faturou a medalha de prata, voltando a colocar o Brasil em uma final após dez anos. Ela, porém, não deve ir à Olimpíada de Paris-2024, porque é a da mesma categoria de Rafaela Silva, eliminada na estreia.