Usuarios On-line







domingo, 10 de dezembro de 2023

Desaparecimento de brasileira nos EUA completa 20 dias e pais reclamam de descaso da polícia


No dia 20 de novembro, Manuela Cohen, 17, saiu de sua casa em Washington com um caderno de desenhos, e ainda não voltou. Frustrados com o tratamento que a polícia americana vem dando ao caso, os pais da jovem contrataram um detetive particular, e agora esperam que a divulgação do caso na imprensa impulsione um avanço nas investigações.

No dia seguinte ao desaparecimento, a jovem entrou em contato com os pais por meio de mensagens de texto enviadas de um novo número –ela havia deixado o celular em casa na véspera. A mãe, Sofia Keller, conta que a filha disse que estava em Baltimore, uma cidade a cerca de uma hora de Washington, e que estava segura.


“Eu só estou muito abalada e preciso de um tempo para mim”, escreveu a jovem, de acordo com a mãe. “Ela ainda falou ‘não posso falar com vocês agora, estou com muita dor de cabeça e não consigo pensar em nada. Preciso focar em mim e prometo que vou voltar melhor. Não vou ficar muitos dias, e amanhã eu ligo'”, reconta Sofia.

Os pais tentaram ligar para o telefone, sem sucesso. A polícia, que já havia sido acionada por Sofia e seu marido, Bruno, na mesma noite do desaparecimento da filha, também foi alertada. A mãe conta que a policial de plantão também tentou entrar em contato com Manuela, sem sucesso, que apenas respondeu por mensagens de texto e enviou uma foto, como prova de que estava bem. Essa foto está sendo usada pelas autoridades nos cartazes de desaparecimento.