Usuarios On-line







sábado, 24 de dezembro de 2022

Jovem brasileira com raízes indígenas vence concurso ‘Miss Brasil CNB Teen 2023’


A matogrossense Anny Victória, de apenas 18 anos, venceu na noite desta sexta (23) o título de Miss Brasil CNB Teen 2023. A partir de agora, ela se torna uma porta-voz contra o bullying nas escolas, uma das iniciativas do certame, e começa a se preparar para defender o país no concurso Miss Teen Mundial, que será em julho.

“Eu estava muito ansiosa! Já participei de outros três concursos de miss e, quando ouvi o meu nome, passou um filme na minha cabeça de todos esses momentos. As outras meninas eram bem fortes, mas eu estava confiante e acreditei em mim”, conta ela, em conversa exclusiva com a coluna.


Foto: Reprodução

Natural de Cuiabá (MT), a adolescente tem raízes indígenas na família – segundo conta, sua tataravó era índia. Ela mora com a mãe, tem três irmãos por parte de pai, acabou de terminar o Ensino Médio e se diz uma boa aluna.

“Sempre estudei bastante, mas confesso que sou uma pessoa de humanas, não tenho tanta afinidade com as matérias exatas”, detalha animada, adicionando que este ano teve uma boa pontuação na prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Além de querer decolar no mundo da moda e com sua carreira de miss, ela também tem o objetivo de cursar moda na faculdade para trabalhar com roupas sustentáveis. Sua meta é entrar na Faap, em São Paulo.

“Quero ter um diploma universitário, mas meu sonho mesmo é ser atriz e modelo. Fiz seis anos de teatro e recentemente comecei a crescer no mundo da moda, trabalhando com passarela e publicidade. Também adoro me comunicar e sou influenciadora digital. Acho que esses três universos fazem parte do perfil de uma miss, por isso comecei a participar de concursos. Quero influenciar pessoas da minha geração”, explica a jovem.

Realizado pelo CNB (Concurso Nacional de Beleza), mesma organização que elege as misses Brasil para as franquias Mundo, Supranational e Grand International, o Miss Brasil CNB Teen aconteceu pela segunda vez de forma 100% remota.

Em segundo e terceiro lugares ficaram, respectivamente, as misses Zona da Mata Mineira, Julia Costa, e Rio Grande do Sul, Maria Helena Bianchini. Completaram o Top 6 as representantes do Vale do Aço-MG, Giuliany Lyssa (quarto lugar); Rio Grande do Norte, Amanda Carneiro (quinto); e Ceará, Maria Clara Alencar (sexto). Este ano, um grupo de 17 jovens de diferentes estados e regiões disputaram o posto que pertencia à paulista Yasmin Teles, 18.

Junto com as outras candidatas, no concurso Anny participou de provas preliminares exibidas semanalmente numa espécie de reality show no YouTube, com um total de seis programetes. As etapas contemplaram não só a apresentação de um projeto social, mas também ações no TikTok, foto para capa de revista, criação de um comercial, passarela e outras, valendo pontos classificatórios.

Uma das provas cruciais foi uma entrevista com a vice-Miss Universo 2020, a gaúcha Julia Gama. “As duas misses que mais me inspiram são a Julia Gama e a Júlia Horta [Miss Brasil Universo 2019]. Elas têm carreiras incríveis, são empoderadas, influenciadoras e nunca desistiram de seus sonhos”, enumera Anny.