Usuarios On-line






quinta-feira, 13 de junho de 2024

Nos últimos 11 anos, mais de3 milhões de pessoas saíram da condição de pobreza no Nordeste



De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, nos últimos 11 anos, 3,3 milhões de pessoas saíram da condição de pobreza no Nordeste.

O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelo Centro de Estudos para o Desenvolvimento do Nordeste, e se refere ao ano de 2012 a 2023. Economista e membro do Centro, Flávio Ataliba, afirma que um dos fatores que contribuiu para essa redução de pobreza foi a renda da aposentadoria, de pensões e dos benefícios sociais.

A pesquisa salienta que, mesmo com essa diminuição, a região do Nordeste brasileiro ainda tem 47,43% da população classificada em estado de pobreza. Esse índice ainda é maior que da região Note, que tem uma taxa 41%, fora que ainda supera a média nacional, que é de 28%.

Outro ponto comentado pelo levantamento é o fato de que os indicadores de extrema pobreza possuem mais variáveis do que a classificação da pobreza. O índice na região nordestina referente a pobreza tem um um coeficiente de variação de 5,46%, enquanto em relação para a taxa de extrema pobreza é de 18,4%.

Flávio explica que essa diferença acontece em decorrência a distribuição de renda. “É como se eu tivesse renda hoje e amanhã não conseguisse nada e depois de amanhã também não, e depois eu consigo uma renda um pouco melhor. Então essa flutuação da renda prejudica proporcionalmente os mais pobres e os extremamente pobres. Se comparar entre regiões, o Nordeste sofre mais essa volatilidade”, disse o economista.

Além disso, o membro do Centro de Estudos para o Desenvolvimento do Nordeste afirma que essa instabilidade é agravada quando há uma crise econômica no país. Isso acontece porque aqueles mais pobres não acessam o mercado de trabalho com facilidade, fora a dificuldade de conseguir uma renda extra.

Tudo isso foi refletido, principalmente, durante a pandemia de Covid-19, quando, em 2021, registrou a maior taxa desde 2012, que foi de 36,9%, equivalente a 78,3 milhões de pessoas.

Já em relação a 2023, 28% dos brasileiros, representando 60,4 milhões de pessoas, estavam classificados em situação de pobreza. Comparando ano passado a 2012, é registrado que 8,3 milhões de pessoas saíram da situação de pobreza no Brasil, no qual a maior parte dessa redução aconteceu nos dois últimos anos pós-pandemia.