Usuarios On-line






quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Em 11 meses, 77 motoristas positivaram teste de alcoolemia


No início da semana, um homem foi preso em Caucaia, na região metropolitana de Fortaleza, suspeito de homicídio culposo no trânsito. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o acidente de trânsito tirou a vida de um outro homem de 52 anos. As autoridades informaram que a vítima estava pilotando uma motocicleta, quando foi atingida por um veículo Chevrolet Ônix. Quando os policiais localizaram o suspeito, perceberam que ele apresentava sinais claros de embriaguez. Posteriormente, tal fato foi confirmado através do teste do bafômetro.


Foto: Reprodução/Prefeitura de Fortaleza

O motorista envolvido foi identificado como Francisco Junior Moreira Cruz, de 44 anos, que tem passagens pela polícia por direção perigosa. Ele foi encaminhado para à Delegacia Metropolitana de Caucaia e autuado por homicídio culposo no trânsito qualificado. A Polícia Civil do Estado (PC-CE) segue investigando o caso.

A recente ocorrência na região metropolitana ilustra um problema que também é combatido em Fortaleza. Entre janeiro e novembro deste ano, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) submeteu 15.945 condutores ao teste da alcoolemia nos 389 comandos da Lei Seca. De acordo com o órgão, 824 motoristas recusaram a realização do teste de alcoolemia e outros 77 tiveram resultado positivo. “Beber e dirigir é uma combinação muito perigosa. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a ingestão de apenas um copo de bebida alcoólica potencializa em três vezes as chances do indivíduo se envolver em um sinistro fatal”, afirma o assessor técnico da AMC, Disraeli Brasil.

Em território nacional, a tolerância para a mistura entre o álcool e a direção é zero. De acordo com o artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência é considerada uma infração gravíssima. Nesse sentido, a multa aplicada ultrapassa os R$ 2.900 e o motorista corre ainda o risco de perder o direito de dirigir por 12 meses. Em caso de reincidência, o valor da multa pode ser dobrado.

O artigo 306 do CTB também prevê pena de reclusão de seis meses a três anos. A lei determina que o motorista será punido caso tenha concentração igual ou superior a 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 miligramas de álcool por litro de ar alveolar.

Nesse contexto, ao longo do ano, a AMC realiza diversas ações educativas para conscientização dos motoristas e a promoção de um trânsito mais seguro. Com a chegada da Copa do Mundo, por exemplo, o órgão intensificou as ações da Operação Lei Seca, atuando nos corredores de grande movimentação de veículos e pedestres para coibir comportamentos potencialmente imprudentes. 

De acordo com o Ministério da Saúde, uma em cada cinco vítimas de trânsito atendidas nos prontos-socorros brasileiros ingeriram bebida alcoólica. A AMC informou que, em Fortaleza, aproximadamente 20% dos pacientes internados por conta de acidentes no Instituto Dr. José Frota (IJF) afirma que ingeriu bebida alcoólica. “O álcool afeta o equilíbrio, a concentração e a percepção. Além de aumentar o tempo de reação, afetando a visão e tomada de decisão no caso de um imprevisto”, pontua Disraeli Brasil.

Por Yasmim Rodrigues